23 de outubro de 2015

Cavaco excede tudo o que se poderia imaginar


É por demais sabido e provado que Cavaco não respeita a República de que se tornou presidente, nem a Constituição que jurou cumprir.
Sabemos agora que Cavaco também não respeita Portugal e os portugueses, nem a Democracia Parlamentar resultante das eleições, quando considera deputados com direitos diferentes e governo subordinados às ordens dos mercados e dos que atuam como donos da Europa.

Mais grave ainda, se é possível medir esta gravidade, é o facto de Cavaco ter ameaçado, com chantagem, os deputados que votem pelo governo do PS (com apoio da esquerda anti-europeísta).

Por último, excedendo tudo quanto se poderia imaginar, mesmo de uma vil figura como Cavaco, foi o ter admitido, ou subrepticiamente convidado "mercados" e investidores a boicotar o Governo de Portugal, caso seja formado pelo PS com apoio da esquerda. Isto indicia a sabotagem económica, feita com a frieza de um "chefe de seita" que vê derrotado o seu partido e assim se serve do lugar que ocupa.
Cavaco não aceita a mudança que os portugueses votaram e não olha a meios, criando a instabilidade e prejudicando gravemente os interesses do País e dos portugueses.